The Prime Tamandaré Rua 5, n.691, Sala 202,Setor Oeste, Goiânia/GO CEP: 74333-230

8:00 am - 18:00 pm
Seg a Sex




Preencha todos os campos para calcular

kg
m
Veja a interpretação do IMC
IMCClassificaçãoObesidade (grau)
Menor que 18,5Magreza0
Entre 18,5 e 24,9Normal0
Entre 25,0 e 29,9SobrepesoI
Entre 30,0 e 39,9ObesidadeII
Maior que 40,0Obesidade GraveIII
Seu IMC:

Cirurgia Bariátrica e Anticoncepcional

cirurgia-bariatrica-anticoncepcional

Cirurgia Bariátrica e Anticoncepcional

Vamos falar sobre a relação da cirurgia bariátrica com o anticoncepcional?

Em primeiro lugar, nos últimos anos a Cirurgia Bariátrica vem ganhando destaque entre aqueles que já não conseguem emagrecer pelos métodos habituais, geralmente, pacientes com obesidade mórbida ou com alto risco relacionado a doenças metabólicas. E com isso, grandes dúvidas surgem a respeito da cirurgia bariátrica e anticoncepcional em pacientes mulheres.

Mesmo sendo um método invasivo, ele rapidamente ganhou espaço nos consultórios médicos, tudo isso em razão dos constantes sucessos em cada cirurgia, elevando o índice de pacientes beneficiados.

Sua prática, além de auxiliar no emagrecimento dos pacientes, aumenta a expectativa de vida dos mesmos.

Com isso, dúvidas a respeito da Cirurgia Bariátrica começam a surgir sendo de grande relevância sanar cada uma delas, transmitindo segurança do método a todos aqueles que cogitam a cirurgia. Um dos maiores questionamentos que cerca a Cirurgia Bariátrica está no pós-operatório das mulheres, que se preocupam com os efeitos do anticoncepcional em sua nova realidade.

Cirurgia Bariátrica e Anticoncepcional

Como consequência, a obesidade pode afetar a forma como os medicamentos orais são absorvidos e distribuídos no organismo, incluindo as pílulas que podem ter sua eficácia diminuída.

 Surge um aumento dos eventos adversos associados com a gestação em mulheres obesas, aconselha-se que esse grupo de mulheres utilizem métodos contraceptivos altamente eficazes e que esses métodos não aumentem o risco cardiovascular que já é aumentado e nem aumentem o peso.

 Mas no entanto, existem algumas possibilidades de contracepção que atendem essas características: 

  • LARCs (métodos de longa ação) como o DIU de cobre, DIU hormonal ou DIU Hormonal e o implante. além de não aumentar o risco cardiovascular, serem 20x mais eficazes que métodos de curta ação (como as pílulas) estudos demonstram que os DIUS não impactam no peso. 

Além disso, dependendo do tipo de cirurgia realizada, ocorrerá uma redução nos efeitos do anticoncepcional. Isso acontece uma vez que a cirurgia pode reduzir a capacidade de absorção do organismo, implicando em uma maior dificuldade em absorver os medicamentos, inclusive.

Temos, por exemplo, as cirurgias restritivas que não alteram a anatomia do intestino, fazendo com que não haja uma diminuição da absorção intestinal, tanto de alimentos quanto de medicamentos, enquadrando-se aqui os anticoncepcionais. 

Ou seja, cada tipo de Cirurgia Bariátrica acarreta um efeito diferente na paciente. Algumas possuem maiores ou menores impactos em seu organismo. É necessário atentar-se ao tipo de Cirurgia Bariátrica indicada para cada pessoa, levando em consideração os efeitos futuros.

Obesidade e Contraceptivos:

De acordo com a FEBRASGO (Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia), mulheres que apresentam obesidade ou sobrepeso devem prestar atenção redobrada quando o assunto é contracepção. O que devemos prestar atenção:

  • Adesivos transdérmicos em mulheres com 90 kg ou mais apresentam maiores chances de falha contraceptiva;
  • Aumento do risco de sangramento irregular devido a biodisponibilidade de estrogênio e progestogênio, com comprometimento contraceptivo não importante;*
  • Discreto aumento do risco relativo de gestação quando em obesas com IMC maior que 35 Kg/m2;*
  • Os níveis de progestagênio demoram mais para atingir a estabilidade em obesas, e dessa forma recomenda-se o uso de 14 dias de preservativo para as iniciantes obesas de método hormonal;*
  • A eficácia da pílula do dia seguinte é ligeiramente inferior nas obesas;
  • O risco de trombose é de 2 a 4 vezes maior quando comparado às não obesas;
  • Mulheres submetidas à gastroplastia devem evitar anticoncepcionais orais devido ao risco de absorção gástrica inadequada e menor eficácia.
  • Para mulheres com sobrepeso e obesidade, recomenda-se métodos contraceptivos não orais como o #DIU, cuja eficácia não se torna comprometida pela variação do peso corporal. Em todo caso, consulte sempre seu ginecologista antes de iniciar um método contraceptivo!

Lembre sempre de procurar orientação do seu ginecologista e médico cirurgião para a melhor avaliação do método mais adequado para você.

Em suma,  você tem dúvidas sobre a obesidade, diabetes, cirurgia bariátrica, cirurgia metabólica e sobre a relação da cirurgia bariátrica com os anticoncepcionais? Aqui no site e no canal do YouTube Instituto Dr. Paulo Reis você encontra vídeos com respostas para dúvidas frequentes, orientações de pré e pós-operatório e muito mais.

 

Dr. Paulo Reis
Médico Cirurgião Bariátrico e Cirurgião Geral

CRM-GO 9595

Posts Relacionados

Até quando você vai aceitar a obesidade na sua vida ?

Marcar Consulta